Brasil sobre águas

Singelas nas formas e de diferentes tonalidades, as casas da população ribeirinha do Pará remetem à pureza dos desenhos traçados na infância.

Por Regina Galvão

Fotos: Divulgação / Foto barcos: Arquivo Letras Que Flutuam

Vivendo conforme o ritmo da natureza, os ribeirinhos do Pará constroem suas casas sobre pilares de madeira para se proteger das oscilações da água dos rios. A cultura desse povo é retratada pelo designer Carlos Alcantarino na exposição itinerante Caboclos da Amazônia, com imagens de moradias e barcos da região.

Singelas nas formas e de diferentes tonalidades, as casas da população ribeirinha do Pará remetem à pureza dos desenhos traçados na infância. Erguidas sobre palafitas para resistir às variações das enchentes de rios e igarapés, as construções inspiraram um ensaio fotográfico de Carlos Alcantarino, designer paraense radicado no Rio de Janeiro.

Em viagens a seu estado de origem, Carlos registrou diversas dessas moradas em cidades e vilas de pescadores, como as da maior ilha fluviomarítima do mundo. “Em Marajó, elas são feitas de madeira, encontrada no entorno. Os guarda-corpos, de linhas geométricas, lembram os grafismos das cerâmicas marajoaras, arte da civilização pré-colombiana que viveu nessa região e resiste até hoje”, diz Alcantarino.

Outro elemento que se destaca na arquitetura local é o trapiche, de onde partem as embarcações. Mas não só: essas estruturas são usadas ainda para secar roupas e sementes e até como espaço de lazer para reunir amigos.

Na cidade de Afuá, conhecida como a Veneza paraense, as casas coloridas também convivem com bicicletas e barcos, os principais transportes da comunidade. “As casas ribeirinhas precisam ter cores para serem identificadas à distância. Na falta de ruas, esquinas, calçadas e placas de sinalização, a cor tem a função de comunicação visual, além de estética”, afirma Samia Batista, do Letras que Flutuam, um projeto que pesquisa e divulga o saber dos artistas conhecidos como “abridores de letras”.

Pintar embarcações é um ofício passado de pai para filho – gerações que aprenderam a nomear os barcos com letras repletas de detalhes, códigos cromáticos e tridimensionalidade. “O que se sabe é que os artistas ribeirinhos se apropriaram da tipografia do século 19, também chamada de letra vitoriana, que aportou por aqui com a economia da borracha, e a partir desses modelos desenvolveram a pintura de letras, compondo a diversidade que atualmente colore nossos rios”, diz a designer gráfica Fernanda Martins, coordenadora, como Samia, do mesmo projeto.

Em Caboclos da Amazônia, entre as várias salas, a das Letras está dedicada ao assunto, cuja curadoria é assinada por Fernanda. Ritmos musicais e artesanato completam a mostra de Alcantarino, inaugurada em maio, em Belém, e que pretende revelar para o país os encantos desse Brasil distante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

TOP

Assine a &Design Magazine e fique por dentro das maiores tendências do mercado, da arte, da arquitetura, da moda, da decoração e muito mais!